Tempo de Leitura: 3 minutos

Há umas semanas, aceitei o convite do Bruno Silva e do Ruben Marques para o podcast “A fórmula do sucesso” para falar sobre: Sucesso. 🤦

E uma das razões pelas quais aceitei foi porque é um conceito que me deixa desconfortável. Sempre que escrevo sobre sucesso adiciono um “seja lá o que isso for”. Por isso, quando me convidaram foi claro para mim que não tinha uma definição que me deixasse satisfeita, que o conceito me deixava desconfortável, e que era um bom incentivo para pensar sobre isso.

E comecei por procurar descobrir de onde vinha este desconforto.

E descobri que este desconforto está relacionado com a ideia de que sucesso é obter um resultado, e que atualmente esses resultados (que definem o tal do sucesso) parecem ser cada vez mais impostos pela sociedade, no fundo uma construção que nos tenta convencer que quando “isto” acontecer aí, aí! vais estar bem. E o “isto” pode ser reconhecimento, posição, retorno financeiro, número de seguidores, likes, ser capaz de dar resposta a tudo, e podia continuar a listar “istos”.

Esta ideia não me convence e descobri porquê. (Reparem que este desconforto e o não me convencer é mesmo só a minha experiência).

Primeiro, porque está baseada no pressuposto de que quando o “isto” acontecer será satisfatório. Mas pelo que tenho estudado e pela minha experiência pessoal, quando chegamos ao “isto” vai sempre haver outro “isto” a seguir, a meta está sempre a fugir e não foi por atingir o “isto” que estamos bem.

Segundo, havendo esta necessidade humana de estar bem, é possível que os meios escolhidos contrariem o estar bem.

Por um lado, associamos o resultado (o “isto”) à evidência de qualidades internas, do nosso valor, do nosso mérito o que leva a um viver num estado de não ser suficiente, desadequado, incapaz. Ninguém fala nisto, mas não é à toa que há a síndrome do impostor, e cada vez mais, em portas fechadas, nas sessões individuais de mentoring e coaching, as pessoas me falam nisto.

Por outro lado, o meio para satisfazer o resultado de estar bem pode por em causa o resultado de estar bem. Recordando a pesquisa que fizemos para os episódios especiais sobre burnout do podcast Casa Trabalho Casa, este é causado por excessiva carga de trabalho, não termos controlo na nossa vida, ambientes tóxicos com conflitos, desconfiança, injustiças, e conflitos entre os nossos valores e objetivos pessoais e da empresa/vida que estamos a viver. E não é preciso entrar em burnout para o meio que escolhemos para o sucesso e estarmos bem, nos faça sentir mal.

Por isso, ajuda-me reconhecer que a definição de sucesso depende de cada um, e que, talvez o mais importante seja reconhecer se a definição que estamos a usar é o resultado do que a cultura nos impinge, ou de reconhecer o que é realmente importante para cada um.

O sucesso não é sobre como a tua vida parece para os outros. É sobre como te parece para ti. Michelle Obama

Então, e qual é a minha definição de sucesso? 🤓

Acho que neste momento é mesmo muito abrangente (o que facilita o sucesso 🤭): deixar o mundo um pouco melhor (roubando a definição do Ralph Waldo Emerson).

E o mundo são vários mundos:

O meu mundo: gostar do que faço e viver 7 dias por semana (em vez de 2).

O mundo em geral: poder contribuir para que um líder tenha resultados e crie um ambiente de trabalho inspirador (e como tanta gente reclama do seus “chefes”, até me arrepia a ideia de poder inspirar “chefes” a terem equipas que reclamam menos). É receber mensagens dos ouvintes do Casa Trabalho Casa a agradecer por os termos ajudado a reconhecerem que estavam em burnout e a irem procurar ajudas. É poder contribuir para que cada um aumente o seu autoconhecimento, gestão interna, resiliência, bem estar, e aprenda o que quer para conseguir realizar o que pretende para ter sucesso (seja lá o que isso for🙃)

Conversei sobre isto e muito mais com o Ruben e o Bruno.

FERRAMENTAS

6 razões para a falta de iniciativa

6 razões para a falta de iniciativa

Todos nós temos áreas em que tomamos mais iniciativa, outras em que tomamos menos. Penso na iniciativa como a energia, a vontade para fazer algo, por algo a andar, um “chegar-se à frente”. É comum os meus...

read more

AO COMANDO DA OBJETIVO LUA

Ana Relvas, Ph.D & Consultora de Desempenho

Ana Relvas é a propulsora da Objetivo Lua, projeto que cresceu da sua vontade em ajudar outros a concretizarem o seu potencial e foi construído sobre uma carreira de mais de 10 anos como Gestora e Engenheira Aeroespacial.

É esta experiência que, aliada à formação como Coach e Master Practitioner em Programação Neurolinguística, permite entender os desafios profissionais atuais e desenhar programa para cada pessoa, equipa ou empresa.

 

 

 

Soluções   Cursos   Recursos
Quem Somos   Blog   Contactos

 

 

 

Copyright © 2018 Objetivo Lua. Todos os direitos reservados. Powered by Business Config.