Tempo de Leitura: 3 minutos

Há tempos num curso uma participante perguntou-me como lidar com pessoas tóxicas no trabalho. Na altura não tivemos oportunidade para explorar o tema mas ficou prometido que ía escrever sobre isso.

Todos nós já tivemos (ou temos) colegas com comportamentos tóxicos que tipicamente alimentam mexericos, criticam e culpabilizam os outros (a responsabilidade nunca é deles e têm sempre razão) e chegam a trair a confiança dos colegas. Seja numa conversa de café ou numa reunião, este comportamento pode ser muito cansativo.

Além disso, é um perigo pois cria mau ambiente e pode até intoxicar os outros que começam também a fazê-lo. Chama-se o efeito manada. Veja aqui uma experiência assustadora que mostra como a pressão social nos pode levar a fazer coisas que não queremos mesmo quando achamos que estamos imunes a isso.

 

Como lidar com isso?

Procuro neste artigo dar algumas ideias para lidar com estas pessoas. Umas vão funcionar, outras não. Mas podem ser um começo 🙂

Algumas destas ideias serão mais úteis se tem funções de gestão sobre essa pessoa. E, nesse cenário, tem a obrigação de o fazer para que a toxicidade não seja contagiada a outros membros da equipa.

Se não tem esse tipo de funções, pode inspirar-se nalgumas das sugestões para influenciar o comportamento do colega.

Vou falar de dois cenários: um em que o conteúdo das críticas/mexericos é verdadeiro e o outro em que não é verdadeiro ou está distorcido.

Cenário 1: o conteúdo é verdadeiro

Neste cenário, a pessoa “tem razão” embora possa não estar a conseguir lidar com isso de um modo construtivo.

Estratégia 1: Resolver o problema

Se temos poder para resolver o problema que está a originar as críticas e os mexericos, devemos falar com a pessoa e garantir que queremos encontrar uma solução e fazê-lo.

Pode ser difícil porque o nosso ego está fragilizado e não queremos “dar o braço a torcer”. Se errámos ou algo na organização não está bem, devemos fazer o que está ao nosso alcance para o corrigir.

Podemos ter uma conversa com esta pessoa, fazer perguntas, ouvir e recolher informação com a pessoa para nos ajudar a resolver o problema.

Se não temos poder para resolver o problema, pode ser útil darmos sugestões à pessoa. Por vezes reclamam de algo que as incomoda porque não estão a ver uma solução (que pode passar por fazerem algo de maneira diferente ou pedirem ajuda). Em vez de alimentarmos a conversa focada no problema, podemos redirecioná-la para a solução.

Estratégia 2: Explicar porque não se pode resolver ou porque se faz assim

E quando não há solução, ou a solução não é a que a pessoa deseja?

O segredo aqui é explicar o porquê.

Há coisas que não se podem resolver (a curto ou médio prazo) ou há decisões que têm uma razão. Na maior parte das vezes as pessoas não conhecem toda a história e por isso é tão importante explicar o outro lado.

“Estamos pressionados para terminar este projeto para podermos faturar ao cliente e pagar os ordenados”.

“Não conseguimos contratar alguém com essas competências para te ajudar porque…”

“Estamos a apostar nesta área porque…”

PORQUE…

Porque às vezes as pessoas só precisam de se sentirem ouvidas, envolvidas, e importantes.

Cenário 2: o conteúdo não é verdadeiro

Se a pessoa não “tem razão” no que diz, é importante confrontá-la numa conversa franca.

Mas antes, avaliar se a história que conta não tem mesmo um fundo de verdade. Às vezes estamos tão agarrados à nossa história que não aceitamos as outras. Tal como esta pessoa.

Estratégia 1: Fazer ver o impacto do seu comportamento

Muitas vezes estas pessoas não têm ideia do quão destrutivo e desagradável é o seu comportamento. Não têm realmente noção do impacto que aquelas conversas têm nos outros.

Este comportamento é consequência de estarem magoadas e frustradas no trabalho ou noutras áreas da vida.

O segredo aqui é descobrir qual é a história. A sua história. Em geral, há sempre uma história que está enviesada. Às vezes não se sentem respeitados, ouvidos, sentem que estão a ser injustiçados, explorados, acham que está tudo mal.

E isto pode ainda ser exacerbado se a sua autoimagem passar por serem alguém desafiador, que não se deixa enganar e refilão (“a mim ninguém me cala”).

Qual é a história? E qual é a necessidade que estão a tentar satisfazer com aquele comportamento? Às vezes só querem sentir-se importantes porque alguém lhes dá atenção.

Estratégia 2: Desmontar a história

Frontalmente podemos questionar a veracidade por exemplo da critica que está a ser ventilada e dar informação que ajude a pessoa a conhecer a realidade. Esta conversa pode ser uma conversa de surdos.  Muita gente tem dificuldade em ouvir outras perspetivas quando isso põe em causa o que acreditam. Gosto particularmente deste “guião” para estas situações:

(1) Reconhecer o que a outra pessoa está a acreditar como a sua crença (“Eles são injustos, não sabem o que fazem…”). Não vale a pena dizer que está errada mas podemos perguntar o que a pessoa observou para dizer isso.

(2) Partilhar aquilo que acreditamos (a nossa crença) e o que observámos que nos leva acreditar nisso. 

Mais do que certo ou errado, começamos a ver as observações que sustentam as crenças e talvez isso ajude a transformá-las ou a lidar com elas de um modo mais leve.

Estratégia 3: Incentivar a pessoa a contribuir para resolver o problema

Às vezes também é importante ressignificarmos a importância dos problemas lembrando que resolver problemas é o trabalho de toda a gente. Se não existissem problemas, ninguém tinha trabalho. Ninguém. Isto pode alimentar uma atitude mais construtiva em relação aos problemas. Em vez de gastar energia a reclamar, podemos incentivar a pessoa a canalizar essa energia para contribuir para a solução.

Estratégia 4: Pedir que páre

Pedir-lhe para parar embora algumas pessoas não mudem: 4% acham graça a alimentarem este comportamento e acham que se safam. Podem não se “safar”?

E se não pára, avaliar se é contagiante e afastá-la dos outros e não lhe dar tempo de antena.

Se não tem poder para isso, pelo menos não alimentar as conversas e ignorar.

Em paralelo podemos dar o exemplo e encorajar conversas mais positivas com outras pessoas e valorizar as pessoas que têm uma atitude construtiva.

Alimentar a nossa energia

Ajuda-me sempre pensar que se eu estivesse no lugar daquela pessoa, com a sua história de vida, no fundo vendo o mundo da maneira que ela vê, talvez fizesse exatamente o mesmo.

E isto ajuda-me a criar alguma empatia e a ter energia para talvez dizer-lhe algo positivo.

FERRAMENTAS

Seminários às quintas

Seminários às quintas

Comecei este ano a fazer uma coisa que já andava a procrastinar há algum tempo: oferecer um seminário mensalmente em videoconferência sobre temas cada vez mais importantes para o desenvolvimento pessoal e...

read more
Windows: colar textos e imagens

Windows: colar textos e imagens

Esta dica é para quem usa o Windows. Confesso que não sabia isto até muito recentemente por isso partilho, mas imagino que muitos sabem. O Windows guarda um histórico dos textos e imagens que copiámos...

read more

CURSO ONLINE

AO COMANDO DA OBJETIVO LUA

Ana Relvas, Ph.D & Consultora de Desempenho

Ana Relvas é a propulsora da Objetivo Lua, projeto que cresceu da sua vontade em ajudar outros a concretizarem o seu potencial e foi construído sobre uma carreira de mais de 10 anos como Gestora e Engenheira Aeroespacial.

É esta experiência que, aliada à formação como Coach e Master Practitioner em Programação Neurolinguística, permite entender os desafios profissionais atuais e desenhar programa para cada pessoa, equipa ou empresa.

 

 

 

Soluções   Cursos   Recursos
Quem Somos   Blog   Contactos

 

 

 

Copyright © 2018 Objetivo Lua. Todos os direitos reservados. Powered by Business Config.