Tempo de Leitura: 3 minutos

“Fico incomodado quando algumas pessoas me atendem o telefone bruscamente, parece que me estão a despachar”, disse-me uma vez um cliente. Estava a ficar difícil a sua comunicação e relação com este tipo de clientes e colegas.

Há pessoas que adotam comportamentos que nos levam a preferir evitá-las: ou porque são bruscos e apressados, ou porque são demasiado efusivos, ou porque explicam tudo ao detalhe e são picuinhas, ou porque falam devagar e têm medo de tomar decisões, ou porque…

Este cliente descobriu porque é que sentia esta dificuldade, passou a reconhecer e a perceber melhor as “suas” pessoas difíceis e a comunicar com elas de um modo mais eficaz.

Curiosamente também todos nós somos pessoas difíceis para outras pessoas. 🙂

Inteligência emocional e o modelo DiSC

Esta (auto)consciência e a capacidade de gerir relações e comunicar são os fundamentos da inteligência emocional e uma das competências mais importantes na nossa vida profissional e pessoal.

Para treinar estas dimensões tenho trabalhado com o modelo comportamental DiSC.

DiSC é o acrónimo para as quatro dimensões comportamentais que descrevem o modo como naturalmente nos comportamos e descreve estes modos como Dominância, Influência, eStabilidade e Conscienciosidade.

É importante perceber que não há dimensões boas nem más, nem uma dimensão melhor nem pior. Todas as dimensões têm pontos fortes e limitações. Todas as dimensões podem ser mais ou menos eficazes, dependendo da capacidade de cada indivíduo para modificar o seu comportamento.

E em geral, todos nós fazemos as 4 dimensões mas com alta preferência para uma ou duas.

E é normal que por vezes tenhamos dificuldade em valorizar, e até dificuldade em lidar, com comportamentos diferentes dos nossos. Por exemplo, alguém muito rigoroso leva à loucura alguém muito focado em despachar trabalho…e vice-versa.

Transformar comportamentos

Uma das coisas que me entusiasma neste modelo é que não é “escrito na pedra”. Não descreve aquilo que SOMOS mas aquilo que FAZEMOS, o modo como respondemos, através do nosso comportamento, ao meio onde estamos integrados.

E isto entusiasma-me porque se aquilo que fazemos, o nosso comportamento, o modo como comunicamos, não nos está a servir podemos transformá-lo e ter resultados diferentes.

Pode não ser fácil pois estamos a contrariar o nosso piloto automático, o modo como sempre fizémos, mas com treino acabamos por programar o piloto automático a adotar novos comportamentos.

Esta programação permite-nos lidar mais facilmente com as “nossas” pessoas difíceis e também facilitarmos a relação com aqueles que nos acham difíceis (e na maior parte dos casos até podem ser as mesmas pessoas).

Quando treino a ferramenta DiSC, trabalhamos primeiro a autoconsciência das preferências atuais de cada um e quais os pontos fortes e áreas que estão a limitar.

Numa segunda fase, treinamos o como identificar o perfil dos outros e como comunicar e interagir melhor com as “nossas” pessoas difíceis. Para muitos é um momento transformador “agora percebo porque é que ele faz isto” ou“agora percebo porque não o consegui convencer”.

Repare que este modelo (e outros) o que nos dão é uma estrutura comprovada e simples o suficiente que nos permite analisar e encontrar soluções para lidar com algo tão complexo como o comportamento humano, facilitarmos as relações e melhorarmos os nossos resultados.

É sempre uma experiência transformadora. A próximo grupo a ser “transformado” vai ser em breve no curso “Ferramenta de comunicação eficaz para engenheiros” em que poderá participar onde quer que esteja já que vai ocorrer em regime de videoconferência (que nos permite comunicar de um modo surpreendentemente eficaz).

FERRAMENTAS

Liderança em Portugal

Recordo hoje os resultados do questionário que  lancei para recolher informação sobre os comportamentos dos líderes em Portugal. Queria verificar se a realidade de outros países, em que os líderes têm...

read more

AO COMANDO DA OBJETIVO LUA

Ana Relvas, Ph.D & Consultora de Desempenho

Ana Relvas é a propulsora da Objetivo Lua, projeto que cresceu da sua vontade em ajudar outros a concretizarem o seu potencial e foi construído sobre uma carreira de mais de 10 anos como Gestora e Engenheira Aeroespacial.

É esta experiência que, aliada à formação como Coach e Master Practitioner em Programação Neurolinguística, permite entender os desafios profissionais atuais e desenhar programa para cada pessoa, equipa ou empresa.

0