Tempo de Leitura: 2 minutos

“Não é o que disseste mas o modo como disseste.” E também é o que disseste 😊

Às vezes as palavras que escolhemos para comunicar têm um impacto contraproducente no resultado em particular em situações de conflito ou quando precisamos de ser ouvidos para transmitir as nossas ideias.

Hoje deixo algumas sugestões que podem ajudar neste caminho.

Em vez de dizermos “Tu não estás a perceber” podemos dizer “Eu não me estou a explicar bem”. Seja o que for que está a acontecer, o que queremos é que a mensagem passe. Ao dizer ao outro que “não está a perceber” estamos quase a desresponsabilizarmo-nos e deixar o outro na defensiva (consciente ou inconscientemente). Na prática a responsabilidade é nossa…de nos explicarmos.

É comum dizermos “Sim, MAS…” após alguém nos dizer algo (até com coisas que concordamos). Até começamos bem com o “sim” só que o “mas” apaga e põe em causa tudo aquilo que o outro disse. Ajuda estarmos atentos e em vez disso dizermos “Sim, percebo E ….”

“O que tu TENS de fazer…” Todos adoramos dar conselhos (ou bitaites) e dizer aos outros o que “têm” que fazer. A expressão “tenho de” ou “tens de” traz agregada uma sensação de obrigação com que lidamos mal. Quando quisermos mesmo dar um conselho (partindo do pressuposto que o outro o quer) podemos usar outras expressões como “nessa situação o que eu faria era…”.

“Estás errado”. Ninguém gosta de estar errado e que lhe digam isso. Para começar a pessoa pode não estar errada e sermos nós a estarmos. Mas mesmo que a pessoa esteja errada há maneiras de o dizer que não levem o outro a construir um muro que o impeça de perceber isso. Por exemplo, podemos dizer algo como “Eu li, observei, sei que…” (e apresentamos a nossa visão) ou “Na minha opinião”. Em situações relacionadas com estados emocionais podemos dizer algo como “Percebo que te sintas assim” reconhecendo que o outro tem o direito de sentir o que sente, achar o que acha. Quem nos diz que, se tivéssemos o mesmo mapa do mundo, não teríamos a mesma resposta?

Para experimentar 😊

 

FERRAMENTAS

Como fazer cursos em videoconferência que resultam

Programas de treino para empresasem videoconferência Temos experiência a entregar soluções de treino para envolver os participantes, promover a aplicação faseada no dia-a-dia e resultados no terreno minimizando a interferência com as restantes responsabilidades do...

read more

AO COMANDO DA OBJETIVO LUA

Ana Relvas, Ph.D & Consultora de Desempenho

Ana Relvas é a propulsora da Objetivo Lua, projeto que cresceu da sua vontade em ajudar outros a concretizarem o seu potencial e foi construído sobre uma carreira de mais de 10 anos como Gestora e Engenheira Aeroespacial.

É esta experiência que, aliada à formação como Coach e Master Practitioner em Programação Neurolinguística, permite entender os desafios profissionais atuais e desenhar programa para cada pessoa, equipa ou empresa.

 

 

 

Soluções   Cursos   Recursos
Quem Somos   Blog   Contactos

 

 

 

Copyright © 2018 Objetivo Lua. Todos os direitos reservados. Powered by Business Config.

0